segunda-feira, 2 de junho de 2008

Num dia de verão

Era verão, dez horas da noite na Tijuca, saída da faculdade, desaba um temporal daqueles.
Corre pra lá, pra cá, se esconde debaixo da marquise... e lá vai ela com sua mini-saia molhada, seu caderno molhado, sua bolsa molhada para o ponto de ônibus. Era uma torcida debaixo daquele ponto de ônibus e lá foi ela se chegando, apertando um pouco ali e aqui e mesmo assim ficou na chuva. E lá vem um ônibus, e outro e outro e nada do ônibus dela. E a rua vai alagando e lá está ela olhando aquele ralo fedorento entupido e o ônibus que não vem. E a água suja vai chegando a calçada. Ela na calçada fedorenta, a chuva caindo e um montão de "colegas marrons" fugindo da inundação do ralo fedorento e ela lá olhando aquele "salve-se quem puder" e eis que ela sente uma cócega na perna, seu coração dispara e lá vem subindo aquele baratão e ela não quer acreditar no que vê e pára de pensar. Nessa situação, acredito, só parando de pensar. Bem, a doida dá um pulo ninja de Naruto, de Bruce Lee, de Indiana Jones...

No ponto de ônibus

Foi água suja pra todo lado, foi gente correndo da água suja, foi um tal de filha da puta, piranha..... e ela tentando explicar como se estivesse num palco falando para o ponto de ônibus que tinha uma barata na sua perna, e que ela tinha medo de barata !
Lá pelas tantas ela começa a pensar de novo e percebe que encostado no ferro do ponto de ônibus está um rapaz com braço e perna engessado, todo de branco fuzilando ela com o olhar. Aí ela repara que o rapaz já não estava tão branco assim e que se ele ficasse de quatro seria um Dalmata, tantas eram as bolinhas pretas da água suja que ela jogou nele. Ela ficou com pena de ver o rapaz todo malhado e impossibilitado de se mexer direito e foi pedir desculpas, e o rapaz a xingou e nesse momento o quê ela vê ? a barata subindo na perna branca dele. Era a mesma barata. O pulo ninja foi tão preciso que a barata foi parar na perna dele. E aí começa tudo de novo. Ela sai correndo da barata da perna dele, molha todo mundo de novo o rapaz fica pedindo pra alguém tirar aquele bicho dali e e ela vai embora no ônibus que pára naquele momento e ri até chegar em casa.

Um comentário:

drips e fefê disse...

Meus Deus, isso é uma Eca! Tombe!

Isso merecia uma edição especial
do blog!

É a versão Trash-barata de Cantando na Chuva!

Pesquisar este blog